Clubes de investimento: vale a pena investir?

Mulheres ganham força no mercado financeiro
12 de março de 2019

Clubes de investimento: vale a pena investir?

Para quem está começando a investir agora, a ideia de clubes de investimento ainda pode ser novidade. Ou você até ouviu falar sobre eles, mas o conceito permanece um tanto quanto misterioso na sua mente. Porém, o clube de investimento é uma opção interessante para investidores iniciantes e experientes. Por isso resolvemos falar um pouco sobre ele: o que é, como funciona e para quem é mais indicado. Você está pronto? Vamos lá…

 

O que é um clube de investimento?

 

Os clubes de investimento foram criados com o intuito de introduzir o pequeno investidor ao mercado de capitais. Por isso mesmo sua política de investimento é bastante simples. O pequeno investidor inicia sua aquisição de conhecimentos e habilidades sobre o mercado financeiro com a participação no clube. Posteriormente, e a partir dessa experiência, ele ficará mais à vontade para explorar opções de investimento mais sofisticadas.

 

Cada clube é composto por um grupo de investidores de no mínimo 3 e no máximo 50 pessoas físicas. Elas reúnem seus recursos para fazer aplicações financeiras em títulos e valores (ações ou derivativos) mobiliários com características de participação.

 

Geralmente, os clubes são utilizados por pessoas que possuem algum tipo de laço pessoal, como grupos de amigos, familiares e colegas de trabalho. Também podem ser organizados por outras pessoas com objetivos em comum como forma de aplicação em conjunto de suas economias.

 

A alternativa é interessante pois, com mais participantes, a quantia a ser investida é maior. Assim, apresentam-se mais oportunidades de investimentos e os custos operacionais são reduzidos.

 

Essas pessoas entregam o seu dinheiro para um gestor, que irá então aplicá-lo em ativos financeiros de acordo com a estratégia adotada pelo grupo. Para isso, os membros do grupo se reúnem periodicamente, debatendo sobre as melhores oportunidades de investimento e garantindo sua participação, controle e aprendizado.

 

Como funcionam os clubes de investimento?

 

O regulamento estipulado pela BM&F Bovespa aponta que todo clube de investimento deve ter:

 

  • Administrador: uma Corretora de Valores, distribuidora de títulos ou Banco de Investimentos. Deve cuidar de todos os documentos e registros legais do clube.
  • Gestor: faz a gestão dos recursos do clube, realizando as suas aplicações. Também pode ser realizado pelo administrador. Caso pessoa física, deve ser um agente autorizado pela CVM.
  • Custodiante: geralmente realizado pelo administrador, deve fazer a guarda dos documentos.

 

Além disso, o Clube deve ter um estatuto social, documento responsável por definir, entre outros, os cotistas que fazem parte dele e a sua política de investimentos.

 

Vale a pena investir?

 

Os clubes de investimento são uma boa opção para quem está entrando no mercado financeiro e ainda não conhece o seu funcionamento. Como todos os membros do grupo participam da escolha de aplicações, o aprendizado é coletivo.

 

A sua principal vantagem, no entanto, é a capacidade de permitir que investidores com baixo volume de recursos façam aplicações em investimentos mais lucrativos. As quantias mínimas necessárias para investir em ações com bons rendimentos geralmente são altas. O clube reúne os recursos de todos os seus members, oferecendo um leque de opções de investimento maior.

 

Como todo investimento, os clubes de investimento também possuem algumas desvantagens, como seu excesso de burocracia e alto custo de transação. Apenas o seu perfil pode dizer o que faz mais sentido para você.

 

→ Confira nossos conteúdos no portal Endinheirando para mais informações sobre o mercado de ações e investimentos.

Os comentários estão encerrados.